Educação alimentar na infância – Dicas para pais e educadores

Os médicos recomendam que até os seis meses de idade a criança seja amamentada pela mãe. Porém, após esse período, a introdução de novos alimentos e a aquisição de hábitos alimentares saudáveis nem sempre é fácil. Por isso, é necessário que escola e família trabalhem em conjunto para desenvolver um programa de educação alimentar para bebês e crianças pequenas.

Para a educação alimentar ser eficiente, não se deve falar de comida apenas no momento das refeições. Essa conversa deve fazer parte da rotina da criança, em casa e na escola.

Nas escolas de educação infantil, os itens que compõem o cardápio são selecionados por nutricionistas e o preparo dos alimentos deve ser realizado por equipe especializada, dentro de cozinha adequada para esse fim. Professores e berçaristas não participam dessa preparação, mas apenas do momento de servir as refeições, pois é uma atividade pedagógica na qual a criança “aprende” a se alimentar.

Em casa, a alimentação das crianças deve seguir orientação de pediatra ou nutricionista e ser preparada observando-se os cuidados com a higiene.

A estimulação do paladar começa ainda bebê e, a introdução de alimentos mais sólidos, deve ser feita de forma gradual. Isso é geralmente acompanhado por médicos e nutricionistas, que são os profissionais mais preparados para essa tarefa.

Variedade de alimentos também é importante, porém, é preciso dar certo tempo para que o bebê se acostume com um alimento antes de introduzir outro. Exemplo: se está sendo servida batata amassada ao bebê, é recomendável que se introduza chuchu amassado somente na semana seguinte, para que o paladar consiga se adaptar e distinguir um alimento de outro.

Os profissionais que trabalham na escola devem sempre observar as recomendações da família e da equipe que também cuida do bebê (pediatras, nutricionistas, equipe pedagógica da escola, etc.). Não é recomendado inserir alimentos novos por conta própria.

Já para as crianças maiores, vale dizer que o momento das refeições não deve, de forma alguma, ser traumatizante.

É sabido que há crianças que têm dificuldades para comer, pois rejeitam tudo e ficam muito tempo sem alimento. Diante de um caso desses, não é recomendado obrigar a criança comer, “forçando” a entrada da colher em sua boca. Isso pode traumatizá-la e fazer com que ela sinta ânsia.

Recusar alimentos pode ser mais do que um “charme” para chamar atenção. Pode ser sintoma de algo mais sério (algumas doenças podem diminuir o apetite). E, mesmo que a criança não coma para chamar a atenção dos adultos, é porque ela está precisando de atenção e é necessário investigar os motivos.

Se a criança tem dificuldade para comer, isso deve ser trabalhado em casa e também na escola. Os pais podem levar esse assunto para os professores abordarem na sala de aula. Quando escola e família têm o mesmo discurso, a criança sente-se mais confiante. Há casos que será necessária a intervenção de profissional especializado (psicólogo, médico, nutricionista), pois a criança não pode ficar sem comer. Deixar uma criança sem se alimentar pode ter consequências graves para sua saúde.

Também não se deve obrigar a criança a comer algum alimento que não goste. Se nós, adultos, temos nossas preferências, por que as crianças também não podem ter?

O momento da refeição deve ser tranquilo. Não é aconselhável alimentar uma criança que está em pé. Ela precisa estar confortavelmente sentada e a hora da refeição deve ser exclusiva. Existem pais que têm o hábito de colocar comida na boca da criança enquanto a mesma brinca. Então, ela sai andando e o adulto fica indo atrás, com o prato na mão. Isso é totalmente inadequado, pois a criança divide a atenção que deveria dar à refeição com outras atividades, além de não desenvolver sua autonomia para comer, uma vez que o adulto é quem está lhe servindo.

Algumas dicas importantes:

– Pais e professores podem programar atividades divertidas com seus filhos/alunos usando frutas e legumes, como um piquenique de frutas, teatrinho de legumes, sucos malucos.

– Preparem pratos coloridos, chamativos, componham figuras de animais e carinhas felizes usando os alimentos.

– Convidem os amiguinhos das crianças para as refeições e sirva comidas saudáveis.

Comer pode ser muito divertido e saudável!

Cristiane Ferreira é Psicopedagoga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *